A Lua Tem Ou Não Tem Água No Seu Interior?

Uma das maiores questões da astronomia volta a ser discutida. Existe água na Lua?

Eu já trouxe vídeos aqui no canal com estudos que mostravam fortes indícios de água na Lua, na subsuperfície, e de gelo em crateras que fiam eternamente nas sombras.

Mas a maravilha da ciência é essa, se você estudar, reestudar, analisar, reanalisar, pode chegar a diferentes conclusões, e o que tem que ser feito é bolar muito bem as hipóteses em que você está trabalhando, para então bater o martelo numa teoria ou em outra.

Depois desse pequeno parênteses sobre metodologia científica, vamos ao que interessa.

Um grupo de pesquisadores acaba de divulgar um trabalho e publicar um artigo contradizendo as últimas pesquisas sobre a presença de água na Lua.

Os pesquisadores analisaram uma amostra de rocha lunar trazida para a Terra em 1972 durante a missão da Apollo 16.

Essa rocha é chamada de Rusty Rock e tem sido objeto de estudo e polêmica durante muitos anos.

A rocha recebe esse nome, pois apresenta uma pequena parte que parece enferrujada, e essa ferrugem só seria possível com a presença de água, portanto a conclusão trivial é que essa rocha veio do interior da Lua na formação da cratera e o interior da Lua é úmido o que marcou a rocha com essa ferrugem.

Mas o paradoxo é que as novas análises químicas feitas mostram que a composição da rocha é consistente com um interior seco na Lua.

A explicação é a seguinte, a Rusty Rock está cheia de isótopos mais leves do zinco, significando que é provavelmente o produto do zinco que condensou na superfície depois da evaporação ocorrida durante o período de formação da Lua.

O zinco é um elemento volátil e nas condições extremamente quentes da formação da Lua ele se comporta como água.

Assim, pode-se dizer que o interior da Lua é enrriquecido com isótopos pesados que foram depletados em isótops leves e em elementos voláteis, ou seja, o interior é seco.

O trabalho anterior que mostrou que a Lua era úmida foi feito analisando amostras de vidros e ao encontrar presença de água nesses depósitos sugeriram que o interior da Lua era úmido.

O trabalho atual contradiz isso, o que os pesquisadores irão fazer agora é a sua própria análise nessas amostras de vidro.

O mais interessante de tudo isso é mostrar como a ciência trabalha as hipóteses e as premissas, essas contradições nos apresentam uma verdadeira aula de metodologia científica no seu mais alto nível, além é lógico de tentar responder uma grande questão sobre a Lua, tem ou não tem água na sua subsuperfície.

Fontes:

https://phys.org/news/2017-08-analysis-rusty-lunar-moon-interior.html

Canal Space Today
http://www.youtube.com/spacetodaytv

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta