Hubble descobre satélite no terceiro maior Planeta Anão

Vocês conhecem o 2007 OR10?

Não, esse é o terceiro maior planeta anão conhecido no nosso Sistema Solar, ele vive nas profundezas do nosso sistema, no Cinturão de Kuiper.

O 2007 OR10 faz parte do seleto clube de planetas anões, e ele só é menor que Plutão e Eris.

Ele foi descoberto em 2007 pela equipe do Mike Brown, uma equipe especialista no estudo dos confins do Sistema Solar.

O canal Space Today mostra de uma forma simples e bem explicada sobre as novas descobertas a respeito desse Planeta Anão.

Ele tem uma órbita altamente excêntrica, assim como Plutão, e está localizado a uma distância cerca de 3 vezes maior que a distância de Plutão até o Sol.

Os astrônomos analisaram imagens de arquivos desse objeto feitas pela WFC 3 do Hubble e descobriram ao redor do 2007 OR10 um satélite.

O satélite foi identificado em duas imagens separadas do Hubble, imagens essas feitas com um intervalo de um ano aproximadamente.

Nas imagens, claramente pode-se ver o satélite se movendo ao redor do planeta anão, contra o fundo estrelado.

Os astrônomos conseguiram medir o diâmetro dos objetos, usando o Observatório Espacial Herschel, o 2007 OR10 tem cerca de 1530 quilômetros de diâmetro e o seu satélite entre 240 e 400 quilômetros de diâmetro.

Essa descoberta tem uma implicação muito importante, pois ajuda a entender a formação do Sistema Solar.

Esses satélites pequenos são formados normalmente por colisões, e assim sendo, mostra que no início do sistema as colisões eram muito frequentes já que a maioria dos planetas anões possuem satélites.

Isso é muito importante, pois com essa informação, os cientistas podem restringir melhor seus modelos, definir melhor as condições de contorno e os parâmetros e no fim entender muito melhor como se deu a formação e a evolução do nosso Sistema Solar.

As colisões nessa região são diferentes, das colisões no cinturão de asteroides, onde elas são destrutivas, já no cinturão de Kuiper, elas acontecem com a velocidade certa, nem para formar somente uma cratera e nem para destruir o objeto, mas sim para que ele entre órbita do objeto maior.

Descobrindo esses pequenos objetos, criando modelos mais confiáveis e definindo melhor as condições iniciais, os pesquisadores, a cada dia entendem mais e melhor como o nosso Sistema Solar se formou e como evoluiu até o dia de hoje.

Isso pode ter impacto na procura do Planeta IX de nosso sistema solar?
Todos os cálculos terão que ser refeitos?
Aguardemos mais novidades sobre o nosso e não tão bem conhecido sistema solar !!!

Fontes:

http://hubblesite.org/news_release/news/2017-18

Artigo:

http://imgsrc.hubblesite.org/hvi/uploads/science_paper/file_attachment/237/Kiss_2017_ApJL_838_L1.pdf

Canal Space Today:

https://www.youtube.com/channel/UC_Fk7hHbl7vv_7K8tYqJd5A

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta