Nós seremos extintos?

Qual o futuro da Humanidade? Qual sera o futuro do Universo?
O que causa as extinções? seremos extintos?

Estromatólito pode ser definido como uma rocha fóssil formada por atividades de microrganismos em ambientes aquáticos, que, quando acumulados no fundo de mares rasos, formam uma espécie de recife. Porém, a definição exata de estromatólito ainda é discutida podendo, por exemplo, excluir estruturas como oncólitos e trombólitos da lista dos estromatólitos.

Há mais de 20 anos é conhecida a presença de estromatólitos no chamado sílex de Strelley Pool, uma formação rochosa que fica na Austrália e que data do início do Mesoarqueano, ou seja, cerca de 3,5 bilhões de anos atrás. Por serem fósseis tão antigos, pensa-se que sejam testemunha dos primeiros organismos a realizar a fotossíntese oxigênica, responsáveis pelo gás oxigênio que surgiu no planeta há cerca de 3,5 bilhões de anos.

No Brasil, os fósseis mais antigos ocorrem no Quadrilátero Ferrífero e têm idade entre 2,1 e 2,4 Ga, mas o principal registro no país é nos terrenos mesoproterozoicos e neoproterozoicos dos estados GO, MG, PR, BA e DF.

Não somente de sílex podem se formar os estromatólitos: compõem-se também estes de carbonatos (calcita e dolomita). São formados a partir de uma sucessão de estágios, partindo de esteira microbiana, estromatólito estratiforme, para finalmente consolidar uma rocha. Os principais microorganismos formadores das esteiras estromatolíticas são as cianobactérias.

Na escala de tempo geológico, o Arqueano, Arcaiqueano e Arcaico (em português de Portugal) é o éon que está compreendido aproximadamente entre 3,85 bilhões de anos e 2,5 bilhões de anos atrás. O éon Arqueano sucede o éon Hadeano e precede o éon Proterozoico. O início do Arqueano é marcado pelas primeiras formas de vida unicelulares da Terra.

A vida provavelmente esteve presente por todo o Arqueano, mas deve ter sido limitada a simples organismos unicelulares não nucleados, chamados procariontes, pois não há fósseis de eucariotos tão antigos. Fósseis de tapetes de cianobactérias (estromatólitos) são encontrados por todo o Arqueano, tornando-se especialmente comum mais tarde no éon, enquanto uns poucos fósseis prováveis de bactérias são conhecidos de certos depósitos de chert. Em adição ao domínio Bactéria, microfósseis de extremófilos do domínio Arquena também têm sido identificados. Não se conhecem fósseis de eucariontes, apesar de que eles podem ter evoluído durante o Arqueano e simplesmente não ter deixado quaisquer fósseis.

Eukariotas também referido como eucariotas ou eucariontes (do grego ευ, translit.: eu, “bom, perfeito”; e κάρυον, translit.: karyon, noz ou amêndoa, núcleo) inclui todos os seres vivos com células eucarióticas, ou seja, com um núcleo celular rodeado por uma membrana (DNA compartimentado, consequentemente separado do citoplasma) e com vários organelos. No núcleo está contida a maior parte do material genético, o DNA, enquanto uma parte menor está contida nos mitocôndrios. Seu DNA está associado a proteínas histónicas. Os eucariotas são portanto os organismos vivos unicelulares ou pluricelulares constituídos por células dotadas de núcleo, distinguindo-se dos procariotas (grupo parafilético), cujas células são desprovidas de um núcleo bem diferenciado.

A percepção de que dinossauros são intimamente relacionados com as aves levantou a possibilidade óbvia da existência de dinossauros emplumados. Fósseis de Archaeopteryx possuem penas bem preservadas, mas até o início da década de 1990 que claramente fósseis não-aviários de dinossauros, foram descobertos com penas preservadas. Hoje há mais de vinte gêneros de dinossauros com penas fósseis, quase todos são terópodes. A maioria é da Formação Yixian da China. As penas fósseis de um espécime, Shuvuuia deserti, apresentou teste positivo em testes imunológicos para a beta-queratina, a principal proteína nas penas das aves. Em 2015, um dinossauro com penas, ossos e tecidos moles de 99 milhões de anos de idade foi descoberto em Mianmar.

Acredita-se que os primeiros mamíferos surgiram no período Jurássico, entre 176 e 161 milhões de anos atrás, durante o reinado dos Dinossauros. Novas evidências científicas, entretanto, sugerem que os precursores dos mamíferos podem ter surgido há pelo menos 208 milhões de anos, durante o período Triássico Superior.

O Sol está aproximadamente na metade da sequência principal, período onde o qual fusão nuclear fusiona hidrogênio em hélio. A cada segundo, mais de 4 milhões de toneladas de matéria são convertidas em energia dentro do centro solar, produzindo neutrinos e radiação solar. Nesta velocidade, o Sol converteu cerca de 100 massas terrestres de massa em energia, desde sua formação até o presente. O Sol ficará na sequência principal por cerca de 10 bilhões (10 mil milhões) de anos.

O Big Crunch, ou em português, o Grande Colapso, é uma teoria segundo a qual o universo começará no futuro a contrair-se, devido à atração gravitacional, até entrar em colapso sobre si mesmo. Pesquisas mais recentes, baseadas em observações de supernovas extremamente distantes, comprovaram que a aceleração da expansão do universo é positiva, o que significa que a velocidade com a qual as galáxias se afastam umas das outras está aumentando, e não diminuindo como seria de se esperar pela atração gravitacional. Isso significa que o Universo está se expandindo cada vez mais rapidamente, acelerando, e os cosmólogos não vêem como essa situação poderá ser revertida. Para explicar este fato, novas teorias gravitacionais estão sendo formuladas, implicando noções como matéria escura e energia escura. A evidência da aceleração da expansão do universo é considerada como conclusiva pela maioria dos cosmólogos desde 2002, e com essa descoberta a hipótese do Big Crunch sofreu um grande revés.

Sendo o Big Bang a teoria mais aceita para o início do universo, o Big Freeze (ou Grande Congelamento) é considerado um dos seus fins possíveis. É um cenário no qual o universo torna-se demasiadamente frio para poder albergar vida, devido à sua contínua expansão. Esta hipótese pode vir a ser real caso a geometria do universo seja plana ou hiperbólica, o que poderia indicar que o universo se expandiria para sempre.Passado mais algum tempo, todas as estrelas de todas as galáxias irão morrer e nada sobrará para que se possam originar novas galáxias e novas estrelas.
O universo passará a ser um lugar escuro e frio, com o espaço tornando-se cada vez mais esparso, com a temperatura caindo cada vez mais até se fixar no zero absoluto.

Fontes:

Wikipédia:

Estromatólitos
http://pt.wikipedia.org/wiki/Estromat%C3%B3litos

Período Arqueano
http://pt.wikipedia.org/wiki/Arqueano

Eukaryota
https://pt.wikipedia.org/wiki/Eukaryota

Dinossauros Emplumado
http://pt.wikipedia.org/wiki/Dinossauros_emplumados

Mamíferos
https://pt.wikipedia.org/wiki/Mam%C3%ADferos

Evolução do Sol
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sol#Evolu.C3.A7.C3.A3o

Big Crunch
http://pt.wikipedia.org/wiki/Big_crunch

Big Freeze
http://pt.wikipedia.org/wiki/Big_freeze

Youtube:

Canal Ciência Todo Dia
https://www.youtube.com/user/CienciaTodoDia

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta