Quer que desenhe? Insignificantes no universo

Muitas pessoas pensam que somos o centro do Universo, mas estão totalmente enganadas. Nós seres humanos somos apenas grãos de poeira em meio ao um mar cósmico. Alguns acham que a insignificância da humanidade em relação ao cosmos é bastante aterrorizante, mas mesmo sendo assustadora temos que lembrar que podemos ver o que está a nossa volta e temos muita sorte de estarmos aqui hoje.

Desde a antiga Grécia o homem tem imaginado de como seria o nosso Universo, como percebemos o que está a nossa volta. Aristóteles imaginou o Geocentrismo, Ptolomeu tentou explicar esse movimento criando círculos chamados epiciclos.

Até o surgimento do movimento Heliocêntrico imaginado por Nicolau Copérnico, onde a Terra seria mais um Planeta, no final do século XVI o astrônomo Tycho Brahe começou a desenvolver um método cientifico assim como Galileu Galilei.

Em 1609 Johannes Kepler publicou o manuscrito de “Astronomia nova”, que concluiu que todos os planetas movem-se em elipses, com o Sol em um dos focos, criando assim “A primeira lei de Kepler” do movimento planetário.

Nos primeiros meses de 1610, Galileu Galilei, usando seu poderoso novo telescópio, descobriu quatro satélites orbitando Júpiter, escreveu Sidereus Nuncius (O Mensageiro das Estrelas) descrevendo suas descobertas. O método empírico, defendido por Galileu, constitui um corte com o método aristotélico mais abstrato utilizado nessa época, devido a isto Galileu é considerado como o “pai da ciência moderna”. A confirmação de que Via Láctea consiste de muitas estrelas veio quando Galileu Galilei a observou com uma luneta e descobriu que ela era composta de um enorme número de estrelas fracas

Estima-se que a nossa galáxia, a Via Láctea, possui de 200 a 400 bilhões de estrelas. As galáxias possuem em média centenas de bilhões de estrelas. E as estimativas também apontam para centenas de bilhões de galáxias no Universo.

Existem provavelmente mais de 170 bilhões de galáxias apenas no universo observável.

Olhar para um céu repleto de estrelas definitivamente mexe com a gente. É quase inevitável sentir-se pequeno, às vezes até insignificante, quando pensamos nas dimensões do cosmos. Afinal, em comparação com a Terra, somos cada um de nós um mero ponto; frente ao Sol, é a Terra quem vira um ponto; na escala da Via Láctea, o Sol é só mais um entre bilhões de pontos. E isso não para nunca: nossa galáxia é um minúsculo ponto diante do tamanho do universo, e até o próprio cosmos, que para nós parece ser infinito, pode tranquilamente ser apenas mais um em meio a incontáveis universos. Mais uma vez, nada além de um ponto.

A série “Quer que Eu Desenhe” se destina a explicar de uma maneira simples, direta e com bom humor matérias que nos ajudam a ampliar o nosso conhecimento!

Fontes:

Canal QuerQueDesenhe:

https://www.youtube.com/user/QuerQueDesenhe

Relacionados:

Quando o sol girava em torno da terra

Quer que desenhe? Big Bang

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta